Onde Ficar e Onde Comer em Vail – Austria Haus Hotel e muitos restôs legais

Este é um post que atende perfeitamente aos princípios do nosso blog. Vamos falar de Garfos e de Quartos em Vail.

Austria Haus Hotel – um ótimo hotel de montanha

Ponto essencial numa viagem: onde ficar? Em Vail a escolha não é difícil, considerando que o lugar é pequeno, então localização não é exatamente um problema. Isso sem falar que opções não faltam, desde hotéis de grife como Ritz-Carlton e Four Seasons (que parece realmente espetacular) até os apartamentos ou casas de aluguel que andam tão na moda.

Nós fomos no meio termo e escolhemos o Austria Haus Hotel. Para quem conhece, é do mesmo estilo do Casa da Montanha em Gramado.

Vista da frente do hotel, na East Meadow Drive

Vista dos fundos do hotel, com vista para Gore Creek

É um hotel pequeno, com apenas 25 quartos, e ocupa uma ótima posição no ranking do Tripadvisor. Há uma salinha junto à recepção para guardar o equipamento de esqui (exceto as botas, que devem ser levadas para o quarto para que permaneçam quentinhas – essa foi a instrução). Mais do que conveniente.

O Austria Haus é um lugar delicioso de voltar quando a temperatura lá fora castiga; todas as salas possuem lareira. E sempre tem café à disposição.

Sala junto à recepção

Sala da biblioteca, nos fundos – nossa preferida

Na sala mais aos fundos há uma pequena biblioteca, convidativa para aquele relax antes de ir dormir. Quem não fizer questão de literatura clássica vai se deliciar com os livros de fotos do Colorado (é bonita essa região!).

A decoração é clássica e bem no estilo campo e montanha, com muita estampa nos móveis e no carpete e madeiras escuras.

A sala do meio é onde o breakfast é servido.

Sala de café da manhã

As iguarias são aquelas típicas dos breakfasts americanos, mas a grande estrela é a máquina de waffle, onde você mesmo prepara e decora o seu, do seu jeitinho, de preferência com muitas frutas vermelhas e calda de chocolate como topping (esqueça qualquer outra fruta, só as vermelhas por lá são docinhas e saborosas).

Gostamos muito disso!

Certa manhã encontramos também uma mesa de omeletes com dois atendentes, que preparavam a iguaria com os ingredientes de escolha do hóspede.

Nos fundos do hotel há uma piscina ao ar livre com água quente e fumegante.

Para quem se habilitar ao choque térmico na entrada e na saída. Bom para relaxar depois do esqui com vista para a montanha, Gore Creek e a Covered Bridge.

Em época de Natal, o hotel fica encantadoramente decorado.

     

E quando se trata de instalações privativas…

Os quartos são amplos e muito aconchegantes, com camas king size e travesseiros fofos.

O banheiro tem piso aquecido e paredes listradas em bege e branco, chic.

E para completar o conforto, uma salinha com duas poltronas, TV de LCD, frigobar e café e água mineral à disposição, além de internet wireless gratuita, tão indispensável ao viajante moderno (disponível em todo o hotel).

Cantinho aconchegante de leitura

Decor neutro com detalhes interessantes, de muito bom gosto, com tudo em perfeitas condições. Não está nas fotos: a música clássica que toca nas áreas comuns e o silêncio absoluto que reina nos corredores e quartos. Perfeito.

Se tivéssemos que citar um ponto negativo, talvez diríamos que o atendimento na recepção é formal demais, mas aí já é aquela brasilidade falando alto demais. Não, não precisa. O atendimento é corretíssimo.

Indicamos esse hotel e voltaríamos com certeza!

Gastronomia em Vail

A gastronomia é levada a sério em Vail. São tantos restaurantes, de tantas culinárias diferentes, que nem parece que estamos num pequeno vilarejo entre as montanhas.

Então decidimos pesquisar com antecedência o assunto. Não é difícil, pois o próprio resort providencia um Dining Guide bem completo que pode ser baixado pela internet. Depois, uma rápida checada nos rankings do Tripadvisor e estamos prontos para a etapa final, as reservas para os mais concorridos através do Open Table. O Open Table é um site excelente dedicado a reservas de restaurantes em todos os Estados Unidos. Tudo é muito simples; basta um rápido cadastro, busca por restaurante, inserir data e número de pessoas e ele retorna a disponibilidade. Não precisa fornecer dados do cartão de crédito, mas precisa comparecer à reserva, sob pena de não conseguir mais utilizar o serviço. Funciona maravilhosamente.

E agora vamos aos lugares que testamos. Os dois primeiros restaurantes são os que possuem melhor posição no ranking do Tripadvisor, mas todos tem lá as suas surpresas.

Sweet Basil

Considerado pela Wine Spectator um dos melhores restaurantes de Vail, eleito pelo Zagat Survey como o restaurante mais popular do Colorado. Sem dúvidas, desperta a curiosidade!

Tem um estilo moderninho e é bastante agitado por conta do balcão de bar que ocupa um bom espaço do restaurante. A decoração é elegante e aconchegante, com muitas paredes em pedra. No entanto, as mesas são próximas demais, o que pode atrapalhar um pouco a conversa.

Mas vamos às estrelas da noite. Para começar, of course, as entradinhas. Warm Apple and Beet Salad, uma saladinha de fatias de beterraba, maçã e queijo camembert, com rúcula e castanhas moídas, temperada com um vinagre de cidra. Uma combinação muito saborosa, mas as fatias de beterraba poderiam ser um pouquinho mais finas.

E um Loch Duart Salmon Tartare, um tartare acompanhado de caviar de salmão, molho béarnaise, brioche e iogurte de raiz forte. Aprovado.

E passamos aos pratos principais.

USDA Prime New York Strip, um kobe beef certificado e preparado com marrow butter (manteiga preparada com tutano e ervas), acompanhado de purê de batatas, cogumelos, confit de cebola e salsa de rúcula. Dizem que o tutano deixa a carne mais saborosa e é um dos segredinhos das steakhouses (além da maturação da carne, grelha extra quente, entre tantos outros). Pode bem ser verdade.

E Heritage Breed Pork Chop, deliciosa carne de porco acompanhada de um purê de marmelo, batatinha doce, nabos assados e um caramelo de gengibre e cidra de maçã. Parece doce demais, mas ficou incrivelmente na medida e contrastou bem com o porco.

E, para fechar a noite, sobremesa! Hoje vamos com tudo.

Tahitian Vanilla Cheesecake, um cheesecake feito com as famosas favas de baunilha do Tahiti, acompanhado de farofinha de gingerbread, sorbet de abacaxi, pedacinhos de abacaxi assado e gengibre adoçado. Linda apresentação e muito sabor!

E um Almond Joy, bolas de mousse gelada de coco, amêndoas açucaradas e biscoitinhos, tudo isso mergulhado numa calda de chocolate francês Valrhona 70%.

Teria sido perfeito sem os biscoitinhos alienígenas, mas o pior problema da sobremesa foi a troca das amêndoas açucaradas por… salgadas! O chef que nos desculpe, mas um erro imperdoável, pois o sal arruinou o melhor chocolate do mundo e tornou inviável comer a sobremesa. Reclamamos e, obviamente, não fomos cobrados. Danos materiais cobertos, mas os danos morais…

Very well, menu digno de um episódio de Top Chef, com muita coisa boa e alguns deslizes pelo caminho. Mas o restaurante é mesmo muito bom e vale a ida e os dólares gastos, sem dúvida!

La Tour

O maior representante francês da cidade tem mesas na janela e uma porta discreta que fazem o ambiente parecer bastante aconchegante.

Na verdade ele é um tanto antiquado e as paredes brancas (que também estão presentes no interior do restaurante) deixam o ambiente um tanto frio e sem graça – nem a lareira colabora muito na atmosfera.

Lotado – ele é concorridíssimo. Após uma rápida espera no bar, fomos acomodados numa mesa junto à janela. Dessa vez pedimos direto os pratos principais.

Butternut Squash Gnocchi. Notem que o nhoque se transformou num ravioli, provando que jamais deveríamos pedir comida italiana num restaurante francês! Ou que os restaurateurs deveriam programar melhor as compras, ou ainda avisar o cliente que o ingrediente principal da receita será substituído.

Mas isso em nada prejudicou o sabor do prato, na verdade ficou muito mais interessante. O ravioli recheado com moranga veio acompanhado de folhas da estação refogadas, picles de cebolinhas, cranberry e manteiga de sálvia. Gostoso, mas nada além disso.

O outro prato foi um Colorado Striped Bass, um peixe da região grelhado, servido com camarões e tomatinhos ao molho Pernod, purê de batatas e mais um molho de anis. Totalmente forgettable.

E a mesa ao lado, com umas vinte pessoas, segue bem animada. Parece um bom momento para pedir a conta. Podemos dizer que, de todas as nossas experiências gastronômicas na cidade, essa foi a que menos empolgou.

Podemos até dizer que o La Tour de Vail é uma espécie de Chez Philippe de Porto Alegre (alguns conterrâneos talvez entendam isso, mais adiante faremos um post explicando).

Campo de Fiori

Esse é um autêntico italiano, descoberto ao acaso, passando na frente.

Olhando de fora não parece grande coisa. Na verdade parece mais uma casa, não fosse o toldo e o menu na porta, indicando que sim, ali tem um restaurante.

Mesmo sem reserva, e como era muito cedo, entramos. Deixamos nossos casacos e subimos as escadas.  O interior surpreende; todas as paredes, o teto e até o piso são alaranjados com pinturas decorativas. Bem extravagante.

Conseguimos uma mesa para dois num cantinho e fizemos nossos pedidos. As expectativas foram superadas quando os pratos chegaram à mesa… amor à primeira garfada!

Um dos pedidos foi a Carne del Giorno, a especialidade do dia do chef – nesse caso, um cordeiro assado lentamente com molho espesso e aromático, purê de batatas e aspargos como guarnição. Delicioso, perfeito para uma noite de inverno.

E o outro, um prato do cardápio da temporada, Ravioli all Odore di Funghi – um ravioli recheado com cogumelos selvagens, molho de champagne e azeite de trufas brancas.

Sabe aquele sabor e aroma marcantes, que você continua sentindo mesmo depois de ir embora, e muito tempo depois? That’s it. Poderíamos comer esse prato todos os dias, sabor inigualável.

Uma grata surpresa descobrir depois que o restaurante é altamente recomendado por instituições de peso como New York Times, Wine Spectator, Zagat Survey e Food and Wine Magazine. Que sorte que nós demos, não?

Blu’s

Restaurante pequeno e despretensioso, de cozinha “eclética americana” segundo eles. Fica de frente para Gore Creek e abre inclusive no café da manhã, sendo uma boa opção para quem está hospedado em apartamento e com preguiça de providenciar comida.

Pelas paredes envidraçadas vimos um ambiente aconchegante, com paredes de tijolos à vista e mesinhas de madeira. Entramos mesmo sem reserva e rapidamente fomos acomodados numa mesinha na janela.

De cara pedimos duas sopas de entrada, uma de cogumelos e outra de cebola – nada muito emocionante. Como pratos principais, escolhemos dois pratos bem típicos. Uma Colorado Buffalo Shepherd’s Pie, torta que parece um escondidinho de purê de batata com carne de costela refogada (tipo carne de panela) e legumes, deliciosa e no melhor estilo comfort food

… E um Blu’s Famous Meatloaf, um bolo de carne aromatizado com ervas e especiarias e servido com molho de tomate bem espesso e ratatouille rústico.

Na primeira garfada já se descobre porque é famoso. Um dos pratos mais saborosos da viagem!

Up The Creek

Restaurantezinho simpático, também nas margens de Gore Creek e bem pertinho do Blu’s acima citado. O ambiente é alegre e as paredes envidraçadas com a vista bucólica criam uma ótima atmosfera, o que torna o local ideal para um almoço ou lanche da tarde (especialmente no verão, quando Vail se transforma).

Com o menu fixado na porta, entramos sabendo exatamente o que pediríamos: Buffalo Wings (porque ao menos uma vez, numa viagem aos EUA, tem que pedir e passar sufoco com a pimenta) e um Roasted Turkey and Brie, sanduíche tostado de peru com queijo brie e peras asiáticas, acompanhado de um molho de cranberry e fritas.

O pepino ali está meio perdido no contexto, mas o sanduíche estava estupendo, assim como as fritas que acompanhavam. Aliás, não existem fritas ruins nos EUA.

Simples e básico, não? Mas recomendado pelo New York Times.

Tavern On The Square

Esse fica em Lionshead e é uma espécie de pub, localizado junto ao hotel The Arrabelle. Ambiente e decoração nota 10.

Para um almocinho depois do esqui em uma tarde bem fria, pedimos dois Chicken Curry Pot Pie, um frango ao curry bem picante com vegetais servido numa cumbuca coberta com massa folhada, acompanhado de cerveja. De comer ajoelhado!

De sobremesa, duas escolhas. Um Apple Dumplings Rosmary Honey Gelato, fatias de maçã cozidas com sorvete de alecrim e mel para cobrir…

… E um inesquecível S’mores – um brownie de Guinness com sorvete, farofinha, pequenos marshmallows tostados e calda de chocolate. Ou seja, um exagero! Quando pedimos a garçonete elogiou a escolha.

E nós agradecemos por uma das melhores sobremesas da viagem.

Conclusão final: essa história de que se come mal nos EUA ficou no passado. Vail é um verdadeiro destino gastronômico; se come muito, mas muito bem por lá, desde um simples sanduíche até o prato mais elaborado de um restaurante chic. O atendimento, em todos os lugares, é impecável. Para citar um defeito, achamos os ambientes agitados demais, com muitos grupos de pessoas, o que torna quase impossível um jantar mais quietinho a dois… mas nada que comprometa tanto a experiência!

E nos despedimos de Vail, já com saudades. Próximo destino: New York!

Maiores Informações:

Austria Haus Hotel

Tripadvisor – opiniões de hóspedes do Austria Haus

Open Table – site de reserva de restaurantes nos Estados Unidos

Guia de Restaurantes – The Vail Valley Dining Guide

Sweet Basil

La Tour

Campo de Fiori

Blu’s

Up The Creek

Tavern on The Square

Anúncios

Sobre Pati Venturini

Engenheira, blogger, chocolatière na Méli-Mélo Chocolat e co-autora do blog de gastronomia e viagens De Garfos e De Quartos.
Esse post foi publicado em Estados Unidos, Vail e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Onde Ficar e Onde Comer em Vail – Austria Haus Hotel e muitos restôs legais

  1. Sueli OVB disse:

    Espetacular, Pati!
    Adorei o hotel, os restaurantes e a escolha dos pratos.
    Mais um relato de viagem de dar água na boca.
    Tudo perfeito.
    Parabéns!

    • Obrigada Sueli! Sabe que ficamos mesmo com água na boca de relembrar esses pratos? Impressionante como se come bem por lá. E esse hotel nos proporcionou uma das mais agradáveis estadas dos últimos tempos. São os ares da montanha, eu acho!
      Bj
      Patrícia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s