Meia-Noite em Paris e Giverny

Hoje assistimos ao novo filme de Woody Allen, Meia-Noite em Paris, como convidados numa sessão especial do Cine Clube ZH. Filme leve, lindas imagens da cidade-luz, homenagem mesmo. E o que tem a ver com Giverny, a vila francesa onde morou Monet? É que uma das cenas do filme se passa lá. Como achei muito curta a tal da cena, resolvi mostrar mais aqui neste post.

A Fundação Claude Monet é o segundo local mais visitado da Normandia (o primeiro é o Mont Saint Michel), recebendo cerca de 400 mil visitantes de abril a novembro, quando está aberta. Evite feriados; por um descuido programamos este passeio num dia desses e nos deparamos com multidões por todos os lados.

O dia tem que estar perfeito, para ressaltar a profusão de cores e ambientar adequadamente o cenário. De trem a partir de Paris, saindo da Gare Saint Lazare, são 45 minutos até Vernon, de onde sai um ônibus até Giverny. Também é possível alugar bicicleta, vimos muita gente fazendo isso… deu até uma certa inveja.

Antes de chegar lá, uma olhada no vilarejo. Puro charme.

Lojinhas simpáticas, galerias de arte, alguns restaurantes, uma floricultura. Há também dois museus, o Museu do Impressionismo e o Museu Marmottan, com obras de Monet.

A rusticidade das construções de pedra casa bem com a leveza das flores.

         

Como estamos na Alta Normandia, a arquitetura típica já dá as suas caras.

E chegamos à casa do morador mais ilustre do lugar. Começamos pelos famosos jardins, que inspiraram muitos de seus quadros, com seus recantos bucólicos.

Uma ponte japonesa…

E aqui está ele, Le Jardin d’Eau (Jardim das Águas), com suas ninféias que inspiraram uma de suas maiores obras, Les Nymphéas, exposta hoje no Museu de L’Orangerie em Paris.

É preciso um momento de silêncio e atenção aos detalhes para captar a magia do lugar. Prestar atenção na beleza das flores.

        

         

E já avistamos a casa, seguimos até lá.

Ali está a janela do quarto de Monet. Que privilégio ele teve, acordar todas as manhãs e contemplar este cenário!

A casa toda se funde à paisagem, com suas janelas verdes e telhado discreto.

Aos poucos se revela uma varanda. Mais uma vez a cor verde impera, ela está no piso e nas cercas. As paredes são de um rosa discreto, antigo, afinal nada pode tirar o brilho das rosas de verdade que aparecem em profusão.

Poderíamos morar nessa casa exatamente do jeito que ela está (claro, não antes de  acrescentar as comodidades da vida moderna e internet wi-fi). Ela é linda, aconchegante e bem decorada – infelizmente fotos não são permitidas. Há inúmeras gravuras japonesas por toda a casa; interessante descobrir essa paixão de Monet. Taí a inspiração para o Jardim das Águas.

Por trás dessa cortina xadrez esconde-se uma perfeita cozinha de campo,  toda decorada em azul. Não gosto de azul para cozinha, mas esta ficou incrível, acredite (ou melhor, confira no site).

Uma flor diferente nos chama a atenção. A abelha pousada sobre ela traz ainda mais graça à foto…

Obrigada Monet, pelo conjunto da obra. Sua casa, seus jardins, seus quadros, são todos lindos. Que linda vida você teve.

Mas agora pode nos indicar um restaurante para almoçar?

Claro, tem um bem em frente.

Este restaurante de cozinha normanda possui um menu de saladas e pratos a la carte, menu do dia, sanduíches, sobremesas e sorvetes artesanais. Para um almoço mais prolongado, há uma opção chamada A La Table de Monet, um menu composto de pratos que eram servidos ao artista.

Num dia quente, pratos leves são perfeitos. Para André, salada Monet.

E salada de fromage de chèvre chaud (queijo de cabra quente) para mim e minha querida mãe que nos acompanha. Ah, e uma garrafa de cidra, s’il vous plaît, pois hoje ninguém está dirigindo e o dia pede.

Comida simples, bem servida e gostosinha, suficiente para repor as energias, pois a alma já está alimentada. Atendimento demorado, mas simpático (o garçom até elogiou o meu francês – será que está melhorando mesmo?). Merci et au revoir!

Maiores Informações:

Site oficial de Giverny

Fundação Monet

Preços: passagens de trem Paris-Vernon-Paris 24 euros; passagens de ônibus Vernon-Giverny-Vernon 4 euros; entrada na Fundação Monet (casa e jardins) 8 euros; saladas no restaurante Les Nymphéas entre 14 e 17 euros.

Anúncios

Sobre Pati Venturini

Engenheira, blogger, chocolatière na Méli-Mélo Chocolat e co-autora do blog de gastronomia e viagens De Garfos e De Quartos.
Esse post foi publicado em França, Giverny e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Meia-Noite em Paris e Giverny

  1. Adorei este post. Esse é um lugar que está em meus planos há alguns anos, mas nem sei porque ainda não fui, estou tão perto! Coisas do dia a dia. Quando minha filha tinha 9 anos, li com ela um livro infantil sobre Monet, e a história se passava na “Casa Rosa” (nome dado também de sua casa aqui na Itália), e desde disso, ficou marcado uma ida até Giverny para conhece-la, mas até hoje nada, já se passaram 5 anos. Monet é meu ídolo, como artista e como homem, foi um dos poucos pintores da época, que não fez loucuras, teve uma vida regular, era equilibrado e inteligente, além da grande capacidade de transmitir imagens fantásticas em seus quadros impressionistas. Ele comprou a casa com grande sacríficio, porque tinha uma família grande, com filhos de seu primeiro casamento e do segundo.
    O post já está salvado no meu preferido, aguardando minha ida até Giverny.
    Parabéns pelo blog.
    Abraços
    Damares

  2. Damares
    Fico muito feliz com o seu comentário! Obrigada por nos trazer informações adicionais sobre Monet e também por compartilhar um pedacinho da sua própria história. Tenho certeza que você e sua filha farão uma viagem linda… Esse lugar é simplesmente encantador e enche nosso coração de poesia. Levei minha mãe até lá e ela adorou, como não poderia deixar de ser: passeio perfeito para mãe e filha! Por fim, obrigada por ter passado por aqui para nos prestigiar.
    Abraço,
    Pati

  3. Pingback: Deixando Paris para Trás – 3 Lugares Imperdíveis no Interior da França | De Garfos e de Quartos

  4. Pingback: Dois pit-stops na Normandia: Bayeux e Avranches | De Garfos e de Quartos

  5. Ana Maria Albergaria disse:

    Ja estive em Giverny….lugar magico e inesquecivel! Monet foi previlegiado e abencoado por ter vivido num lugar como esse….
    Um dia,se puder,quero voltar la.
    Saudades,
    Ana Maria Albergaria

    • Ana Maria
      Nós pensamos exatamente a mesma coisa quando estivemos lá… Que privilégio ele teve! Que bom que você pôde reviver um pouquinho daquela emoção de estar lá através do nosso blog. Obrigada pelo comentário e volte sempre!
      Abraço,
      Pati

  6. carlota maria alencar de melo disse:

    Estive em Giverny em 2013 e fiquei simplesmente maravilhada com a beleza simples, natural,com o bucolismo do jardim de Monet. Um dos melhores passeios feitos na França.La tudo e emoção …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s